Desromantizar a maternidade! Afinal, o que é isso?

desromantizar a maternidade

Muito se fala em desromantizar a maternidade, você também já deve ter ouvido, mas você sabe o que quer dizer? Quer dizer que aquela mãe da novela, da propaganda de margarina, linda e bela com seus filhos educados e prestativos, simplesmente não existe! Isso quer dizer que milhares de mães após o parto, sofrem uma enorme decepção com a rotina de cuidados do bebê, com o cansaço, as responsabilidades, com as limitações e as exigências. Isso, em muitos casos leva a depressão pós-parto, uma doença séria que precisa de cuidados médicos.

Quem disse que seria fácil?

O que a mídia expõe diariamente em doses homeopáticas vai construindo uma imagem falsa do que é a maternidade, uma idéia “romântica”. Sabe aquele príncipe encantado dos contos infantis? Pois é, eu nunca vi nenhum por aí. A mesma coisa está acontecendo com a imagem da maternidade. Inclusive, muitas mães se sentem induzidas a ter filhos, para se sentirem de “bem” com a sociedade, entrando despreparadas nessa jornada. Ser mãe é incrível, mas como tudo na vida, exige esforço, dedicação e superação. É repleta de momentos nada românticos e certamente, não é fácil!

É imprescindível estar aberta à AMAR! Isso pode parecer bobagem, mas um imenso número de pessoas não está aberta para o amor. Muitos estão cercado por barreiras emocionais baseadas em experiências (ruins) passadas. Outras, ainda buscam na maternidade aquele amor que não ganharam, como forma de se compensar. Se você percebe dificuldades de lidar com seus sentimentos, uma terapia pode te ajudar bastante. O amor entre mãe e filho nasce e se constrói ao longo do caminho, mas precisamos estar de coração aberto a essa jornada, sem muros ou medos.

Ser mãe é se dedicar a criar outro ser humano, que precisa de você o tempo todo e para tudo! O detalhe maior é que ele não vai te retribuir daquele modo grato e romântico que você espera. Eu tenho uma visão sobre a maternidade, que talvez muitos discordem, que é a seguinte: “Se você costuma esperar gratidão e reconhecimento sobre seus esforços para se sentir feliz, a maternidade será frustante”. “A beleza da maternidade é descobrir a capacidade de amar sem esperar nada em troca”. O simples fato de você estar fazendo a sua parte e dando seu amor te fará feliz, te motivará a lidar com todos as dificuldades e mesmo assim, se sentir realizada como mulher e mãe.

Maternidade não combina nada com pessoas egoístas!

Eu posso parecer meio rude com esta frase, mas eu só pretendo convidar a uma reflexão. A maternidade influencia diretamente na vida profissional e social das mulheres, inclusive no casamento ou relações amorosas! Tudo vai mudar com a maternidade! Se você se preocupa muito com seus objetivos profissionais, estudos ou status social, talvez não seja o melhor momento para ter filhos. Em uma sociedade onde a maternidade é compulsória, só posso recomendar que você use sempre métodos contraceptivos, de preferência dois! Se mesmo assim, uma gravidez inesperada acontecer, você deve estar ciente das mudanças que vão surgir. É fundamental se preparar psicologicamente para conseguir lidar com o período pós-parto e com a chegada desta criança, buscando se adaptar a nova situação e aceitação do que está por vir.

Ser mãe é um aprendizado! Não se cobre pelas experiências alheias!

Ser mãe é aprender uma nova função e isso requer prática e paciência. A paciência não é só com o filho, mas consigo mesma. O pós-parto carrega uma enorme oscilação hormonal, além da chegada do bebê.  As cobranças exageradas impostas pela sociedade só atrapalham essa adaptação e devemos saber bloquear isso dos nossos pensamentos. A  maioria das pessoas julga e critica as outras na esperança de se sentirem melhores ou superiores. Na verdade, quem critica está na mesma furada que você, que se abala com isso. Acabamos acreditando nos modelos que nos venderam como padrão e lutando para nos enquadrar, mesmo estando tão distante da nossa realidade (assim está para todo mundo).

O ser humano não é perfeito!

Não existe mãe perfeita, nem filho perfeito, nem marido perfeito, nem nada perfeito! Nós devemos cuidar dos nossos filhos segundo nossas crenças e orientações dos profissionais da saúde. Vamos levar o tempo que for preciso para aprender as coisas! Se um bebê demora a aprender a andar, falar, tudo bem. Mas, se uma mãe demora a amamentar, demora a se adaptar, deveria ser um problema? Ambos estão aprendendo e o importante é se esforçar e manter a calma. As críticas e julgamentos não podem invadir nosso sossego!

Os filhos vão ser cada um de um jeito, único e especial. Alguns chorões, teimosos, alegres, risonhos, tranquilos, agitados, amorosos, agressivos, ou melhor, uma combinação de vários destes aspectos em constante variação. Eles estão começando a criar sua personalidade e descobrindo as emoções e tudo mais. Não exija do seu filho que se comporte como um adulto. Eles demoram um mês para aprender a sorrir, um ano para aprender a andar, mais de 2 anos para aprender a falar.  Quanto tempo será que demoram para aprender a escutar? Para lidar com a frustração? A discernir o certo e o errado? Eu não me atrevo a responder, pois conheço muitas pessoas adultas que ainda não sabem lidar com essas questões. Eu, como mãe, irei repetir e ensinar quantas vezes for preciso, por toda infância e adolescência o que precisa ser ensinado. Quanto tempo vai levar? Isso vai depender de cada criança, mas a minha função é persistir e repeitar o tempo que eles precisam para aprender.

As mães precisam de apoio e atenção dos familiares e amigos!

Outro ponto muito importante na maternidade é ter apoio da família! Isso é fundamental, já que muitas vezes a maternidade leva embora muitos amigos. Uma mãe solo e sem apoio familiar realmente enfrenta uma situação dificílima. Estar cercada de amor dos nossos familiares traz uma sensação de segurança que faz toda diferença. Ter onde deixar os filhos para dar uma volta tranquila e se divertir um pouco é essencial para tirar as mães da solidão pós-parto. Quando você pode fazer isso? Quando for preciso espairecer! Isso depende de cada mãe e não existe regra! Se você tem vontade de ir dar um passeio sozinha, não tem nada de errado nisso, vá!

Estar disponível para as outras mães também nos faz um bem enorme, por isso os grupos de facebook crescem tanto! Mas bem que você poderia encontrar outras mães perto de você, não?  Mas daí, a vizinha vai saber que é uma mãe melhor que eu! Se você pensou isso, provavelmente está sofrendo com as idealizações que te venderam e tem muito a desconstruir na sua cabecinha. Mas te garanto, se libertar das fantasias e frustrações, te permitirá encontrar a verdadeira alegria e satisfação que existe na maternidade!

Gostou? Compartilhe!

Leia mais em:

Como fica o casamento após a chegada dos filhos?

Empatia, quando você for mãe vai me entender..

Pais ativos! O papai participa nos cuidados com o filho?

 

 

 

Pais ativos! O papai aí participa nos cuidados com os filhos?

Em uma época de tanta discussão sobre a igualdade entre homens e mulheres, o papel do pai também entra em questão. Afinal, como dividir os cuidados dos filhos com os pais? Como as mamães lidam com isso?

Paternagem, uma escolha de se entregar a ser pai.

Você  já ouviu falar de paternagem? Diferente da paternidade, que é o simples fato de ter um filho, a paternagem é a aceitação e dedicação do pai ao filho. É o envolvimento emotivo e ativo na função de pai.

Mesmo com a importância da paternagem cada dia mais conhecida, o machismo ainda impera na nossa sociedade. Engana-se quem pensa que ele está só na cabeça dos homens. As mulheres lutam confiantes por direitos iguais e divisão dos cuidados da casa. Mas, e quando se trata dos cuidados dos filhos?

Não é incomum encontrar  mamães que não confiam nas habilidades do papai para cuidar dos pequenos, dificultando o envolvimento entre pais e filhos.

Quando tivemos nosso primeiro filho, meu marido sempre ajudava nos cuidados. Dava banho, trocava fralda e colocava para dormir. Mas demorou bastante para que eu me sentir segura e tranquila para deixá-lo cuidar sozinho do bebê.

Entendo as mamães que não conseguem delegar certas tarefas para os papais. A verdade é que a maioria deles está despreparado para isso, visto que há pouco tempo atrás, não era de costume exercerem tarefas como alimentação, higiene ou rotinas dos filhos.

Como lidar com os papais despreparados?

Muitas vezes os homens não se sentem confortáveis em determinadas tarefas justamente por não terem experiência ou não se sentirem capazes. Nestes casos, temos que ir mostrando e auxiliando, dando a eles a experiência na prática. Mas, para isso, eles precisam de espaço para tentar, errar e tentar de novo, até aprenderem.

Quando o papai é muito machista, o que fazer?

Quando o machismo ficou enraizado na criação, os pais não acham que lhes cabem certas funções. Muita conversa, incentivo e apoio podem ajudar a mudar esta percepção. É um processo delicado e é importante refletir sobre isso, inclusive quando planejarem filhos.

Os pais devem e precisam participar dos cuidados com os filhos. Não é só questão de igualdade, é um laço de amor e confiança que se desenvolve com os filhos. Em tempos em que mães e pais trabalham excessivamente, é essencial a participação e dedicação de ambos para o bom funcionamento da casa e da educação dos filhos.

Conversar com o marido e tentar entender como se sente é o primeiro passo para se encontrar um bom convívio em família. Talvez algumas atividades sejam mais fáceis do que outras para eles e se adaptar a isso ajuda muito a obter bons resultados.

Homens e mulheres cuidam de forma diferente dos filhos

Com certeza a mãe e o pai tem diferentes percepções sobre os cuidados com os filhos. Mas, isso também difere absurdamente entre as próprias mães. Basta olhar tópicos de grupos de mães que a diversidade de opinião são gritantes. Então, ao dividir tarefas, precisamos entender e respeitar as diferenças. Conversar e chegar a consensos, para que não se crie um problema maior no relacionamento familiar.

A mãe que boicota o pai de hoje, cria o filho machista de amanhã.

As mamães que não confiam nos parceiros, não incentivam ou não permitem a sua participação ativa na rotina familiar mostram aos filhos que os homens não servem ou não são capazes de cuidarem deles. Não se espera que este filho no futuro sinta que é capaz ou  que deva fazer diferente. Portanto, nem que seja aos poucos e com supervisão, temos que ajudar nossos maridos a aprenderem a cuidar deles e valorizar esta evolução.

Temos que lembrar que o machismo não foi criado por nossos companheiros, estamos reformulando conceitos em sociedade e isso requer esforço e paciência. Muitos homens já se viram muito bem nos cuidados com a casa e os filhos, mas não é a regra geral. Não se sinta mal se não é o seu caso, mas não devemos desistir. O diálogo é a melhor maneira de irmos mostrando e mudando esta realidade.

Meu filho só quer a mãe!

Às vezes, mesmo sendo um pai ativo, os bebês preferem a mamãe e demonstram com choros insistentes. Isso pode ser bem cansativo para nós mamães e frustrante para os papais, que podem se sentir rejeitados. O melhor é ter calma nessa situação e tentar incluir o papai em alguma atividade que o bebê aceite melhor, até mesmo atividades ou passeios a sós com os filhos.

Durante muito tempo meu marido colocou minha filha para dormir. Depois que desmamei ela aos 20 meses, ela não aceitou mais de forma alguma. Invertemos tarefas para poder respeitar sua vontade. São fases e logo passará.

O diálogo constante em família é essencial. A flexibilidade e empatia deve ser exercida com dedicação. Criar filhos não é nada fácil, mas dividir a responsabilidade com o pai além de tornar a jornada mais leve, trará muitos benefícios para os filhos. O papel de ambos é de extrema importância, quanto mais amor, apoio e segurança, melhor será para nossos filhos.

Gostou? Leia mais em:

Ser mãe às vezes cansa..

Educação: gritar funciona?

 

Meditação na gravidez, conheça os benefícios!

Meditação na gravidez

Sabe aquela ansiedade misturada com felicidade, medo e insegurança que vem junto com o esperado (ou não) positivo? Saiba que a meditação na gestação pode ajudar a lidar com esses sentimentos e ainda traz muitos benefícios para a mamãe e o bebê! Vamos conferir?

É normal as gestantes sentirem uma confusão de emoções com as mudanças que vem pela frente! Sem falar nas oscilações hormonais próprias da gestação. É mesmo complicado passar por este período, mas fazer meditação durante a gestação facilita muito a nossa compreensão, trazendo tranquilidade e equilíbrio.

Quais os benefícios da meditação?

Já foi cientificamente comprovado que a meditação reduz os níveis do hormônio do stress, alivia tensões e melhora a concentração, diminuindo a ansiedade. A maioria das grávidas sentem justamente estes sintomas de forma intensa neste período. Então, esses benefícios são muito bem vindos!

Além disso a meditação regula a pressão arterial, diminuindo o risco de pre-eclampsia. Estudos recentes também sugerem que níveis mais baixos de cortisol propiciam melhores formações neurológicas nos bebês, diminuindo as chances deles desenvolverem doenças.

Para as mamães que estão se praparando para o parto normal, as meditações e respirações ajudam muito a ter tranquilidade e a respiração correta na hora do parto.

Buscando segurança em um mar de incertezas…

Durante a gravidez somos tomadas por uma série de preocupações com o bebê e com as mudanças que vão surgindo. Além de nos informamos bastante sobre o período, usar a meditação para desmistificar certas emoções é renovador.

Calma, paz e tranquilidade nos ajudam a respeitar o tempo, curtir o presente e confiar no futuro. Tudo que uma grávida precisa neste período é apoio, amor e compreensão. A meditação nos ajuda a encontrar esse conforto dentro de nós mesmas, tornando esse período muita mais agradável e feliz.

Minha experiência prática!

Quando engravidei do meu primeiro filho eu praticava yoga há alguns anos. Sou totalmente apaixonada pela yoga e a mudança que sentia ao praticar. Infelizmente tive que parar pois não consegui conciliar meus horários com a prática, mas mantive as meditações em casa.

Eu engravidei contra as probabilidades, tinha SOP e realmente fiquei bem nervorsa se a gestação iria vingar. Queria apressar o tempo! Foi aí que intensifiquei minhas meditações e fazia duas vezes por dia durante 15 minutos.

Aos poucos eu me sentia muito mais tranquila, o medo foi se desfazendo e logo eu já sentia uma confiança de que tudo ficaria bem. Eu pude aprender a organizar os pensamentos e deixar passar o que não me fazia bem. Foi neste período que me aprofundei mais na meditação.

Ao longo da gestação utilizava um mantra que eu adoro para meditar e me sentia conectada com meu bebê. Fui uma gestante muito tranquila, quase sem dores, dormia bem e não tenho do que reclamar. Eu acredito que a meditação deve ter ajudado muito a ter esse período tão tranquilo.

Além disso, meditar só observando e sentindo o bebê na barriga me trazia uma felicidade incrível. É uma forma de nos trazer ao presente e relaxar. Sentir o agora e perceber que é aqui que a vida acontece.

Como meditar?

A meditação para quem nunca praticou deve ser iniciada aos poucos. Começar com uns 5 minutos por dia e ir aumentando o tempo conforme for evoluindo.

Para ajudar a meditação escolha um local confortável, na gestação preferia fazer sentada em uma cadeira do que a posição sentada no chão. Mais no finalzinho já fazia em uma poltrona, o importante é tentar manter uma posição confortável e manter-se imóvel.

Concentra-se na respiração é um bom modo de trazer a atenção para o presente. Pode-se contar as respirações ou só sentir o ar entrar e sair pelas narinas. É importante inspirar pelo nariz e soltar o ar pela boca, isso ajuda a relaxar.

Crie um ambiente com sons tranquilos, música de meditação e incensos se gostar. Almofadas também podem ajudar a se acomodar melhor e trazer mais conforto.

Durante a meditação é normal pensamentos virem atrapalhar, mas o importante é deixa-los irem embora sem se prender a eles. Aos poucos eles vão diminuindo e nossa mente vai silenciando.

Com a prática e paciência, cada vez conseguimos ter mais controle sobre esses pensamentos. Então, podemos fazer meditações sobre emoções, mantras ou objetivos. É como se conseguíssemos conversar com nós mesmos sem aquele monte de interferências de terceiros. Acalmar nossos corações e trazer paz para nossa vida.

Gostou, mas achou difícil?

Para quem não tem experiência em meditar ou prefere as meditações guiadas, sugiro que conheçam o trabalho da Gestazen!

Meditação na gravidez
Meditação na gravidez – Gestazen

São meditações e visualizações especialmente desenvolvidas para as gestantes. Com essas meditações em áudio você consegue trazer paz e harmonia para a sua vida, relaxar o corpo e a mente e se conectar com o bebê.

Conheça os benefícios das Meditações e Visualizações para Gestantes!  Tenho certeza que vocês vão adorar!

Espero que tenham gostado e experimentem a meditação! Depois venham me contar o que acharam!

Link do video contando mais sobre a Gestazen: Vídeo Gestazen!

Gostou? Aqui no blog tem muito mais!

Gravidez, o que esperar!

Segundo filho, o que esperar?

Filhos planejados por Deus