Empatia: Quando você for mãe, vai me entender…

A falta de empatia entre pais e filhos gera muita dor e sofrimento. Quem já não ouviu quando criança ou adolescente da sua mãe ou pai: – Quando você for pai ou mãe vai me entender! Em meio a uma crise de frustração geralmente não adianta nada, não é? Mas neste caso, eles tem toda razão!

Muita coisa que eu não entendia, hoje compreendo. A maternidade me colocou do outro lado da situação, tanta coisa que nem imaginava começou a fazer sentido. Simples assim.

Tudo se trata de ter empatia…

É  difícil termos empatia pelos outros. Muitos adultos, e me incluo nisso, nem sempre conseguem se colocar no lugar do outro. Nos decepcionamos, nos iludimos e sofremos por pura falta de empatia. Brigamos inúmeras vezes, por motivos tolos e egoístas, pela falta de maturidade para analisar as atitudes dos outros e compreendermos seu ponto de vista.

Todo pai e mãe tem medos, inseguranças, problemas pessoais, de trabalho, de dinheiro, no casamento ou doenças, enfim. A vida de todo mundo é cheia de obstáculos. Além disso tudo, temos a missão importantīssima de criar e educar os filhos com todo amor e carinho, zelando que nada lhes falte.

Os filhos, por outro lado, só querem tudo que convir à eles. Desde bebês se iniciam as vontades, desejos e reclamações. A importante lição de ensinar aos filhos a lidarem com a frustração é dos pais. Nós que teremos que dizer não para as coisas perigosas, para as coisas desnecessárias, para as atitudes incorretas. Nós que seremos os “malvados” que não deixam isso ou aquilo e não cedem aos choros ou birras.

As culpas que nos acompanham..

Acho que quase todos nós, pais e mães amorosos, em algum momento nos sentiremos culpados por não poder dar algo ou por termos agido de forma a causar uma decepção nos filhos. Essa culpa geralmente é um equivoco nosso. Se estivermos fazendo nosso melhor, dando amor e carinho, educando e apoiando, estamos fazendo muito bem nosso papel.

Muitos pais trabalham muito para poder garantir o mínimo de conforto e segurança aos filhos e acabam com pouco tempo para a familia. Outros superprotegem por medo da insegurança que a sociedade vive. Todos nós erramos  e acertamos como mães e pais, é um aprendizado para nós e para eles.

Ė unânime que pais devem amar, cuidar e proteger os filhos. Além disso, usamos nosso instinto, utilizamos alguns conselhos que ouvimos e nossas experiências passadas para criar e educar os filhos. Repetimos os padrões dos nossos pais, se tivemos uma boa experiência, ou repelimos em casos de traumas familiares, fazendo o inverso.

A ingratidão dos filhos

A ingratidão dos filhos é um sentimento que também assombra pais e mães. Isso também é um equivoco, pois os filhos não compreendem a realidade até se tornarem adultos. Muitas vezes nem sequer quando adultos se dão por conta de como a vida realmente funciona na prática.

Ser mãe exige uma desilusão da nossa parte. A diferença de idade e de maturidade sempre estará entre pais e filhos. Claro que as pessoas são diferentes e a educação e o exemplos dos pais interferem no tipo de adulto que se tornarão. Mas, muita coisa vai depender das experiências vivênciadas por cada um e como lidam com isso.

Por isso, é fundamental ensinarmos aos filhos a lidar com a frustração desde cedo. Assim, saberão enfrentar os desafios da vida de forma positiva quando estiverem por conta própria. E para isso, temos que saber lidar com a decepção deles conosco e acreditar que quando forem pais ou mães vão nos compreender.

Os avós que mimam os netos.

Muitas pessoas acham ruim, mas os avós e dindos que costumam mimar os nossos filhos, estão nos fazendo um favor. É muito importante nossos filhos poderem ter momentos de prazer e alegria sem que nós, responsáveis pela educação tenhamos que ceder em determinados assuntos.

É essa mistura de vivências que vão formando e preparando nossos filhos para a vida. Meu filho mais velho, com 4 anos, vez ou outra me pede pra ir morar com a tia avó. Toda vez que ele a visita, ela prepara suas comidas preferidas, brinca até não poder mais e ainda dorme no chão com ele numa cama super divertida no meio da sala.

Quando escuto, não me magoa. Não preciso ser a pessoa preferida dele. Preciso ser a mãe que prepara para a vida. Estou fazendo minha parte com toda dedicação, lidando com todos problemas que tenho como adulta e dando todo amor e carinho.

Agora que sou mãe, compreendo meus pais.

Hoje eu sei e compreendo tudo que meus pais fizeram por mim. Muitas atitudes eu discordo e não repetirei com meus filhos. Entretanto não julgo, muito menos condeno. Ambos me deram seu melhor. Entre erros e acertos, nada me faltou, muito menos amor e carinho. Agradeço por tudo! Com a empatia que hoje tenho como mãe, espero lidar com as emoções e percepções dos meus filhos, sem tantas culpas ou frustrações.

Gostou? Leia mais em:

Educação: gritar funciona?

A melhor mãe que posso ser..

Autonomia, o que você está ensinando ao seu filho?

 

8 thoughts on “Empatia: Quando você for mãe, vai me entender…

  1. Deve ser uma delícia ser mãe , senti que você pode dar a vida a uma coisa linda. Ainda sou novinha kk tenho 17 mas um dia serei 😍 parabéns pelo Post, adorei ❤

  2. Esse é um assunto complicado, eu fui entender meus pais apenas quando me tornei mae. Nunca tinha parado para praticar a empatia….e deveríamos fazer isso neh? Muito difícil, e nós pais, temos medo de tudo….tudo o que possa colocar em risco a felicidade dos nossos anjos…adorei seu texto, todos deveriam ler!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *